Arrow Fat Left Icon Arrow Fat Right Icon Arrow Right Icon Cart Icon Close Circle Icon Expand Arrows Icon Facebook Icon Instagram Icon Hamburger Icon Information Icon Down Arrow Icon Mail Icon Mini Cart Icon Person Icon Ruler Icon Search Icon Shirt Icon Triangle Icon Bag Icon Play Video

MiratecArts

The Boy Who Wanted to See the Blue Whale Passing in the Azores (Portuguese)

$19.00

MiratecArts

The Boy Who Wanted to See the Blue Whale Passing in the Azores (Portuguese)

$19.00

Sold out

Children's Book in Portuguese

"Este livro ilustrado convida-nos a embarcar rumo à ilha do Pico. (...) é um convite à descoberta do arquipélago e à proteção da vida marinha em todas as idades." - TIME OUT PORTUGAL

No conto de Isabel Mateus com ilustrações de Filipe Gomes, reaviva-se por certo a memória da tradicional caça à baleia praticada nos Açores que, desde o século XIX, foi o ganha-pão de muitas famílias das ilhas. E persegue-se, sobretudo, o sonho novo de um presente com futuro: a preservação das baleias através de uma observação responsável. Os sucessivos diálogos ao longo da narrativa entre o avô, que fora baleeiro no Pico, e o neto, que já nascera depois que essa faina fora proibida, em 1984, falam precisamente desse sonho do menino: ver a baleia-azul a passar nos Açores. Porém, esse desejo profundo e urgente revela-se uma façanha difícil de concretizar quando tal aventura depende do velho bote a remos do avô, das boas ou más condições climatéricas e, mormente, da dificuldade em avistar este mamífero tão raro, porque ainda em vias de extinção. De resto, foi apenas durante a terceira saída para o mar que o rapazote viu ao natural talvez o maior animal que alguma vez existiu na Terra. Na atualidade, e antecipando-se à atividade turística "Whale Watching", o menino, que entretanto se tornou adulto, mostra já ao leme da sua embarcação, durante a primavera e o verão, que é quando esta espécie de baleia faz a sua passagem migratória pelos Açores, a baleia-azul a todos.

"Ao ler este livro, mirei-me ao espelho do tempo. E nesse retrovisor senti-me, de novo, criança. As brincadeiras no Porto das Ribeiras. Na casa dos botes, em cima do cais, nas poças, à beira mar, em cima da ponte, por entre barcos varados sobre a rampa e gentes a escarafunchar em vidas encardidas.
Os pés de menino fincados nas pedras lisas do porto. Os olhos a varrer o mar de lés a lés, presos à Ponta do Morricão, na Calheta de Nesquim. A ânsia e a espera. O coração aos solavancos dentro do peito. A saudade entalada entre as tábuas de um batel de boca aberta. Os barcos que vão chegando, entre bonançarias e borrascas. A alegria e o encantamento a tomarem conta dos filhos dos pescadores. O barco encostado à escaleira e os beijos apressados, com sabor a sal e a sol, nos rostos secos e luminosos dos nossos pais. Peixe até aos bancos. A alegria estampada nos olhos de todos nós. O sonho, a fantasia e a imaginação à revelia. A realidade rapidamente transformada em jogo. Botes baleeiros e lanchas da baleia, feitos com canas da costa. Arriadas, perseguições, arpoamentos, capturas e reboques até fábricas imaginárias. Gestos, mitos e lendas de mares de baleias e de baleeiros a riscar, na ardósia da memória, um tempo de viver. Reinvenção de histórias e de contos de um mar feiticeiro, contados ao colo doce dos nossos pais e avós. E a ilha, toda inteira, à solta, aos pulos, dentro do olhar de uma criança.
Irmãos do peito, continuamos a olhar para as grandes baleias como personagens principais do mar açoriano, e português, que nos corre nas veias e na massa do sangue da história."
Manuel Francisco Costa Júnior, Diretor do Museu do Pico